Dr Paulino Souza Neto Vascular Surgery, Endovascular Surgery

Tratamento Cirúrgico » Venoso » Angioplastia de Ilíacas

Neste caso falaremos dos portadores de Insuficiência Venosa Crônica, Congestão Venosa Pélvica ou antecedente de Trombose Venosa Profunda consequentes a estenoses das veias Ilíacas.
Neste procedimento insere-se um cateter até a virilha e injeta-se o contraste que retornará para o coração pelo caminho usual. Os pontos de estenose determinarão desvio do fluxo para caminhos alternativos, denominados circulação colateral.
Uma vez identificado o ponto de estreitamento, é realizada a angioplastia com colocação de Stent (mola intravascular que dilata o estreitamento do vaso sanguíneo).
Realiza-se mais uma vez a angiografia com o cateter na mesma posição e observa-se o fluxo do contraste agora seguindo o sentido original.
Com a resolução dos estreitamentos, realiza-se curativo compressivo no local da punção.
Nos casos onde há oclusão das veias ilíacas comum e externa devido a sequela de trombose venosa profunda, aplica-se o mesmo princípio, porém com técnicas específicas para recanalizar o segment ocluído.
Ao lado observam-se as imagens de angiografia de paciente com estenose de Veia Ilíaca comum esquerda e de veias Ilíacas externas bilateral e a circulação colateral desenvolvida. Esta circulação colateral apresenta manifestações clínicas, conforme descrito no capítulo "CONGESTÃO VENOSA PÉLVICA". No centro abaixo esta o aspecto angiográfico da mesma paciente após o tratamento instituído.
A mesma técnica ainda é aplicável aos portadores de Aneurisma de Veia Ilíaca, casos em que a dilatação da veia pode ser tratada com prótese revestida (endoprótese), com resolução imediata do quadro.
Abaixo está o aspecto dos membros inferiores imediatamente antes (esquerda) e imediatamente apó (direita) a angioplastia. Nota-se a diminuição do volume dos membros e da rede venosa superficial.
Segue-se com o tratamento medicamentoso por período variável de acordo com cada caso.

Todos os direitos reservados ®