Dr Paulino Souza Neto Vascular Surgery, Endovascular Surgery

Orientações » Meia Elástica

A meia elástica é um excelente tratamento para os pacientes portadores de Linfedema ou de Insuficiência Venosa Crônica que necessitam de tratamento clínico. Ainda é um grande recurso na prevenção da Trombose Venosa Profunda. No Brasil, o clima tropical é um fator limitante ao seu uso, mas com algumas dicas, pode ser que este tratamento se torne seu grande aliado.
As meias elástica agem comprimindo as veias abaixo da pele, o sistema Venoso superficial.
Por ser um órgão de capacitância (reservatório de sangue), quando comprimimos estas veias, o sangue é forçado para o sistema venoso profundo, aumentando o retorno venoso em até 30%.
Para uma maior eficácia, a meia deve ser aplicada na perna desinchada e com as veias murchas.
Para que o inchaço das pernas seja drenado, há a necessidade de repouso com as pernas elevadas entre 30º e 45º por um período de 20 minutos. Nos dias de hoje em que 5 minutos fazem falta, pode-se vestir a meia ao acordar, pois o inchaço das pernas regrediu durante a noite.
Após este período, ainda deitado, a perna deve ser elevada a 90º, e o joelho dobrado para que se alcance o pé com a meia. Passado o tornozelo, a meia deve ser liberada em movimentos de semicírculos com ambas as mãos, sem tracionar a meia.
A meia 3/4 deve terminar 2 dedos abaixo da dobra do joelho, a 7/8 a 4 dedos abaixo da prega interna da coxa e a meia calça deve ter seu cavalo alinhado justo para que não desça ou que não corte a virilha.
Uma vez calçada, a meia deve ser mantida durante todo o dia.
Neste período apenas 4 posições são permitidas, quais sejam:
Em pé andando
Sentada com as pernas elevadas
Deitada com as pernas elevadas
Plantando bananeira (só para profissionais!)
Ao final do dia faz-se novo repouso de 20 minutos com as pernas elevadas 30º a 45º antes de tirar a meias é necessário. Sem este, pode ocorrer uma dor rebote intensa como se não houvesse utilizado as meias durante todo o dia. Após o devido repouso, as meias podem ser retiradas.
Um banho e pequenas atividades em pé podem ocorrer neste período.
Quanto ao calor, podemos notar uma maior aceitação das meias elásticas quando o tratamento se inicia em meses frios. Com a progressão para o verão, a adaptação lenta faz com que as meias sejam toleradas inclusive no verão. O conforto que a meia proporciona e a acomodação paulatina são a chave do sucesso deste tratamento.
Apesar de todas as evoluções tecnológicas, a meia elástica constitui método eficiente no controle do sintomas de Insuficiência Venosa Crônica e na prevenção de recidiva da doença venosa.
Tenha um mínimo de 2 a 3 pares de meias. Estas cedem com o tempo e devem ser trocadas a cada 4 a 6 meses, pois a perda da elasticidade leva à menor eficácia terapêutica.
A secadora destrói as fibras elásticas, diminuindo a vida útil das meias.
Existem vários fabricantes e modelos que aliam beleza e funcionalidade.
O tamanho adequado da meia segue os padrões do fabricante e podem ser estimados pelas medidas dos membros ou por peso x altura.
A meia elástica é uma grande aliada do paciente com doença venosa crônica, mas apenas com o seu uso correto é que teremos resultados sustentáveis.

Todos os direitos reservados